Renault Kwid Intense

Renault Kwid

Marca/Modelo

R$ 39.990 / R$ 39.990

Versão Base / Versão Testada

290 Litros

Bagageiro

5

Ocupantes

9

Overview

O Renault Kwid Intense é simples, racional e honesto. Entrega o que propõe - nem mais, nem menos. Destaca-se pelo preço inicial competitivo, itens de série (básico completo), performance e baixo consumo de combustível.

Encontre o carro ideal para o seu bolso!

Renault Kwid: racionalidade que basta

Avaliamos a versão topo de linha Intense (R$ 39.990), que entrega o que promete, mas ainda pode melhorar...

WM1 / 15/08/2017 às 16:00

Ponto a Ponto

Score

O Renault Kwid Intense entrega bom desempenho para o segmento por entregar casamento sintonizado entre o motor 1.0 12V SCe de três cilindros e a transmissão manual de cinco marchas. Ponto positivo para o peso de apenas 786 kg, que ajuda demais em números de consumo extremamente interessantes, especialmente no perímetro urbano. Acabamento e espaço interno são 'ok'.
8.9

Média opinião do dono

Honesto e simples. Assim defini, após um primeiro e rápido contato, o recém-chegado Renault Kwid. Agora, com pouco mais de 750 quilômetros rodados com a versão topo de linha Intense em menos de uma semana, me sinto confortável para acrescentar mais uma qualidade ao compacto: racional.

VÍDEO

O Kwid é um típico urbanoide. Tem habilidade de sobra para viver entre os arranha-céus. É esperto. Até mesmo malandro, no bom sentido. Traz sob o capô motor 1.0 12V bicombustível de apenas três cilindros, o mesmo da família SCe que equipa Logan e Sandero, mas com tecnologias e recursos à menos, que resultam em 66 cv (g)/70 cv (e) de potência e 9,4 kgf.m (g)/9,8 kgf.m (e) de torque. Parece pouco. Porém, posso cravar que está na medida. Surpreende o pessimismo. E por um simples motivo: peso. O Kwid tem apenas 786 kg!

De acordo com o Programa Brasileiro de Etiquetagem do INMETRO, o Renault faz na cidade 10,3 km/l e 14,9 km/l quando abastecido com etanol e gasolina, respectivamente. Nas minhas medições, no entanto, os números foram ligeiramente superiores: 11,3 km/l (e) e 15,1 km/l (g)

Outro ponto que entrega agilidade ao Renault é a relação curta do câmbio manual de cinco velocidades. As quatro primeiras marchas deixam o Kwid com fôlego ideal para boas retomadas, quando em rotações médias e altas. Nas saídas dos semáforos, o compacto mostra vivacidade, mesmo em ladeiras mais íngremes. Interessante é que a quinta marcha não funciona como um ‘overdrive’, entregando agilidade entre 80 km/h e 90 km/h.

O resultado deste trio – motor, câmbio e peso – é um Kwid econômico. De acordo com o Programa Brasileiro de Etiquetagem do INMETRO, o Renault faz na cidade 10,3 km/l e 14,9 km/l quando abastecido com etanol e gasolina, respectivamente. Nas minhas medições, no entanto, os números foram ligeiramente superiores: 11,3 km/l (e) e 15,1 km/l (g).

Na estrada, no entanto, os números ficaram em 10,8 km/l (e) e 15,6 km/l (g). Vale destacar que no trecho rodoviário que encaramos durante o teste, o Kwid revelou pouca desenvoltura. Rodando a 120 km/h, o ponteiro crava elevados 4.000 rpm. É possível sentir os três cilindros trabalhando freneticamente e o ruído do vento acaba sendo um intruso desconfortável. O revestimento acústico poderia ser melhor trabalhado.

O que diferencia a versão Intense das demais são a câmera de ré e a central multimídia Media Nav 2.0 (tela de 7 polegadas sensível ao toque) – a mesma que equipa os outros modelos da Renault. Trata-se de uma tecnologia de fácil manuseio, mas ultrapassada

O ajuste da suspensão é firme, o que agrada por ser um veículo curto e com centro de gravidade ligeiramente elevado – tem 1,47 metro de altura e 18 centímetros de vão livre em relação ao solo. Esta configuração evita uma inclinação exagerada nas frenagens bruscas e curvas acentuadas. Em alguns buracos, no entanto, a batida é mais seca e chega a incomodar. Ponto positivo parra os amortecedores, que dificilmente dão final de curso ao varar, por exemplo, uma lombada mal sinalizada. As rodas são de aço (14 polegadas) e calçam pneus  165/70 R14.

VICIADO NO CAOS

O Renault Kwid tem ergonomia agradável e não chega a cansar no trânsito. Isso, porém, para pessoas com estatura mediana. O compacto, infelizmente, é desprovido de qualquer regulagem da coluna de direção (altura e profundidade) ou ajuste do banco do motorista (altura). Os assentos dianteiros têm o apoio de cabeça ‘fundido’ com o encosto, lembrando o banco do Volkswagen Up!. O volante é pequeno – remete ao do elogiado Peugeot 208 – e tem empunhadura ‘ok’. Poderia ser multifuncional – ou ter, pelo menos, aquele comando satélite tradicional de modelos como Logan, Sandero, Duster...

E dentro de suas medidas acanhadas (confira na ficha técnica), o Kwid oferece bom espaço interno, mas com algumas ressalvas. A primeira delas é que, apesar de ter sido homologado para levar até três pessoas no banco traseiro (tem os três encostos de cabeça), o Renault consegue transportar com conforto apenas dois. A segunda é que com 1,70 metro de altura, não tive problemas com a cabeça ou joelhos, mas uma amiga com 1,82 metro não ficou muito à vontade...

​Entre todas as medidas, a mais competitiva em relação à concorrência é a do porta-malas. Com 290 litros, o Kwid tem bagageiro com capacidade superior ao do Mobi (215 litros) e até mesmo do Uno (280 litros). O único ‘porém’ é que o bocal é mais estreito, impedindo a entrada de malas muito grandes.

 

O ar-condicionado é analógico e os vidros elétricos, apenas nas portas dianteiras. As travas são elétricas, mas com funcionamento não muito prático. Ao desligar o veículo e tirar a chave do contato, as portas não destravam automaticamente. Nem mesmo quando puxamos a maçaneta, elas destravam. É preciso pressionar o botão no painel central – onde estão os comandos dos vidros elétricos, diga-se de passagem – para sair.

E o que diferencia a versão Intense das demais são a câmera de ré e a central multimídia Media Nav 2.0 (tela de 7 polegadas sensível ao toque) – a mesma que equipa os outros modelos da Renault. Trata-se de uma tecnologia de fácil manuseio, mas ultrapassada. Tem navegação por GPS, mas em época de Waze e Google Maps, o recurso acaba defasado.

 

O acabamento é ‘ok’. Tem bastante plástico rígido por todas as partes e alguns detalhes em cromado e black piano.

CUSTOS

O Renault Kwid é sedutor no preço, não posso negar. Mesmo ‘peladona’, a configuração de entrada Life (R$ 29.990) é interessante, se nos colocarmos no lugar daqueles que desejam um carro pois estão cansados do péssimo transporte público oferecido nos grandes centros, não têm muito dinheiro para investir e não querem se endividar com prestações elevadas a perder de vista.

Com relação à manutenção, as seis primeiras revisões periódicas – que acontecem a cada 12 meses ou 10.000 km, o que acontecer primeiro – custam R$ 2.449 na versão Intense. O seguro médio, de acordo com cotação do Autocompara, ficou em R$ 3.000 (um pouco elevado).

CONCLUSÃO

Honesto, simples e racional. O Renault Kwid entrega praticamente tudo o que um compacto – porém não SUV – precisa: preço inicial atraente, economia de combustível, lista de equipamentos com o ‘básico ideal’ e performance urbana. No entanto, acredito que a versão ideal é a intermediaria Zen (R$ 35.390). Eu não gastaria mais R$ 4.600 para ter uma central multimídia defasada e câmera de ré em um carro de 3,68 metros de comprimento – um sensor traseiro já estaria de bom tamanho, além de muito mais em conta.

PowerTrain
PowerTrain

PowerTrain

Desempenho
Desempenho

Desempenho

Dimensões
Dimensões

Dimensões

Dinâmica
Dinâmica

Dinâmica

Capacidades
Capacidades

Capacidades

Powertrain
Renault Kwid Intense é equipado com motor 1.0 12V SCe bicombustível de três cilindros. A transmissão é manual de 5 marchas.
Desempenho
Renault Kwid Intense faz 14,9 km/l (gasolina) e 10,3 km/l (etanol) na cidade. Na estrada os números são 15,6 km/l (gasolina) e 10,8 km/l (etanol).
Dimensões
Renault Kwid tem 3,68 metros de comprimento, 2,42 metros de entre-eixos e 290 litros de capacidade de carga.
Dinâmica
Suspensão dianteira é tipo McPherson e a traseira, eixo rígidos. Os freios dianteiros utilizam discos e os traseiros, tambor. Pneus são 165/70 R14.
Porta Malas
290 Litros
Tanque de Combustível
38 Litros
Ocupantes
5
Carga útil
375 kg
Capacidades
Renault Kwid tem capacidade de carga para 290 litros.

Jogador de futebol frustrado, resolveu ser jornalista para escrever sobre tudo que tivesse motor, fizesse (muito ou pouco) barulho e fosse possível de pilotar. Aficionado por superesportivos e clássicos, pensa agora acelerar também sobre duas rodas...

Matérias relacionadas