Mercedes-AMG Project ONE

Acabou o mistério: Mercedes-AMG Project ONE

Superesportivo alemão terá mais de 1.000cv e velocidade máxima acima dos 350 km/h. Uma unidade será vendida no Brasil

WM1 / 11/09/2017 às 20:00

Um dos carros mais misteriosos e aguardados do ano acaba de ser apresentado em Frankfurt, na Alemanha. O Project ONE, o hypercar da Mercedes-AMG para competir com Bugatti Chiron, faz pleno uso do know-how adquirido pela marca nos seus anos vitoriosos disputando a Fórmula 1. O modelo é a principal atração da marca na 67ª edição do IAA (Salão Internacional do Automóvel de Frankfurt), que acontece entre os dias 14 e 24 deste mês.

O preço não foi revelado, mas deverá competir com o Chiron também nesta questão, algo em torno dos 2 milhões de euros (aproximadamente R$ 7,6 milhões) na Europa. Serão feitas  apenas 275 unidades, e as primeiras unidades devem começar a ser produzidas já no final deste ano para entregas em 2018.

Segundo a Mercedes-Benz, pelo menos uma das unidades será vendida para um comprador brasileiro. A lista dos interessados, no entanto, não foi divulgada pela marca. Para 'tentar' adquirir um exemplar, já que serão pouquíssimas unidades, o interessado deve entrar em contato com uma concessionária para que possa ser encaminhado diretamente para o departamento de comercial da Mercedes-Benz do Brasil. 

CINCO MOTORES

O conjunto mecânico é a grande atração do hypercar alemão. O Project ONE é equipado com motor 1.6 V6 turbo - exatamente o mesmo utilizádo pelos 'bólidos' da equipe Mercedes-AMG de Fórmula 1. Atrelado a ele trabalham outros quatro motores elétricos que, juntos, somam mais de 1.000 cv de potência. O primeiro motor elétrico fica integrado ao turbocharged, outro auxilia o propulsor a combustão enquanto os outros dois estão ligados as rodas dianteiras.

Essa solução elimina o famoso “turbo lag” da equação, já que a resposta dos motores elétricos é instantânea, e a carga fica “guardada” em baterias de íon de lítio, exatamente como são utilizadas nos carros de Lewis Hamilton e Valteri Bottas - Hamilton, aliás, foi quem apresentou o superesportivo pessoalmente. As baterias trabalham com 800 volts, em vez dos 400 volts da maioria dos carros, o que permite uma economia de espaço e peso resultante da possibilidade de serem usados cabos de menor espessura.

A transmissão foi desenvolvida do zero para essa aplicação. Mecanicamente, é manual de oito velocidades, e possui opções de trocas automáticas ou manual, através de paddle-shifts. Essa solução foi pensada para se atingir as melhores respostas possíveis com o menor peso (as conhecidas automatizadas de dupla embreagem são pesadas demais para um carro extremo como esse).

Em termos de desempenho, o Mercedes-AMG Project One acelera de 0 a 200 km/h em menos de seis segundos e atinge velocidade máxima acima dos 350 km/h!

Visualmente, o Project ONE não parece ser tão revolucionário, já que seu design lembra claramente os veículos da marca, além de possuir poucas linhas, que fluem elegantemente pela carroceria. Mas, com um pouco de atenção, podemos notar o extenso trabalho de aerodinâmica do carro, evidente na “barbatana” na traseira do carro, que termina num aerofólio ativo retrátil, e nos para-choques, que direcionam o ar para o assoalho, produzindo efeito-solo e saindo com velocidade pela traseira, grudando o carro no chão. Mais know-how da F1 aí.

Colaborou: Marcelo Monegato, de Frankfurt

Com combustível de alta octanagem correndo pelas veias, a equipe de jornalistas do WM1 está sempre acelerando em busca das informações mais relevantes para quem está à procura do melhor negócio ou é apenas mais um aficionado por carros!

Matérias relacionadas