Aceleramos a versão topo de linha do Fiat Cronos

Sedã chega após o Carnaval em quatro versões. Fiat não crava preços mas estima tabela de R$ 59.000 a R$ 72.000

WM1 / 07/02/2018 às 12:00

Para começo de conversa, já é possível adiantar que o Cronos é muito melhor do que os últimos sedãs da linha Fiat. O Siena foi, por exemplo, foi campeão de vendas, mas jogava na simplicidade. Já o Linea era um estepe para quem não tinha grana para comprar um Corolla. Já o Cronos representa a evolução que a montadora está implementando em sua nova gama e que pode ser simbolizada na picape Toro.

Embora não tenha conjunto mecânico dos mais eficientes, e muito menos plataforma moderna (é derivada do Punto), o Cronos apresenta soluções eficientes para que um modelo de 4,36 metros de comprimento e 2,52 m de entre-eixos acomode bem a família e ainda ofereça um porta-malas de 525 litros.

E não estamos falando arranjos supertecnológicos. A receita foi basicamente recuar aumentar a capacidade do bagageiro em altura e recuar a posição dos bancos em relação ao Argo, hatch no qual o Cronos é baseado.

Siga o inimigo

Ok, espaço é importante quando o assunto é sedã, mas quais são os motores disponíveis? Bem, aqui não há segredo. A Fiat seguiu a estratégia que a Volkswagen implementou no Virtus e só não vai oferecer opção 1.0 aspirado. Vai oferecer os mesmos propulsores flex 1.3 de 109 cv de potência e 14,2 kgf.m  de torque e 1.8 de 139 cv e 19,3 kgf.m.

Não há novidade também em relação ao câmbio. Ele pode ser manual ou automatizado GSR de cinco marchas no caso das versões 1.3, enquanto o motor maior trabalha com transmissão automática de seis velocidades ou manual de cinco. Esta última alternativa foi a que avaliamos em test-drive realizado em Córdoba, Argentina, onde nasce o Cronos.

Como mencionamos, não há modernidade no motor 1.8 E.torQ Evo. Aliás, ele é contemporâneo dos aposentados Siena e Linea. Mas ainda dá um caldo. Tem êxito em missões como ultrapassagens e curvas em alta, mas perde o fôlego em retomadas e arrancadas por ter o torque de 18,8/19,3 kgf.m entregue em altos 3.750 rpm. Já a potência de 135/139 cv vem à tona aos 5.750 giros.

 

Quem, por outro lado, merece uma salva de palmas é o câmbio automático. Ele compreende bem a tocada que o motorista quer dar. Não tem vergonha nenhuma em reduz duas, três marchas em busca de mais força. Mas também entende quando o motorista quer aplicar uma tocada linear e mais confortável, aplicando uma transição suave de velocidades.

Ainda sobre a dinâmica do carro, vale elogio para a suspensão. Embora o mais moderno dos sistemas – traz o padrão McPherson na dianteira, mas vem com eixo de torção na traseira -, o acerto é consistente e não deixa o carro esparramar em curvas de alta velocidade.

Fuja do inimigo

Mas os maiores problemas do Cronos começam a surgir justamente onde o Virtus é referência. O quesito é segurança. Enquanto o Volks faturou nota máxima em segurança de acordo com o Latin Ncap, o modelo da Fiat vacila em diversos pontos.

A começar pelos airbags, uma vez que as duas bolsas laterais são opcionais somente na versão topo de linha Precision, enquanto o Virtus traz quatro componentes de série.

O Cronos também vai mal em relação à frenagem, uma vez que dois eixos trazem sistema a tambor. Aqui, o rival também merece puxão de orelha porque, apesar de dizer que segurança não é item opcional, os discos nas quatro rodas são de série somente nas versões TSI.

O último toque que o Cronos merece é sobre controles de estabilidade e tração, que vêm de fábrica a partir da versão Drive GSR. Mesmo não estando envolvido na conversa, vale aqui uma crítica ao Honda City, que mesmo na nova linha ficou devendo tais itens.

Fuja do inimigo²

Terminado o assunto segurança, chegamos a mais um tema em que Cronos e Virtus se distanciam: acabamento. Este é o ponto alto do sedã argentino, que foi concebido com componentes que podem até ser simples, mas transmitem capricho. Há, inclusive, mais diversidade de materiais, que deixam a viagem mais agradável.

E olha que nem falamos sobre o cunho estético, no qual o Cronos surge como referência nas categorias de entrada, na qual o Chevrolet Prisma reina, e não é exagero dizer que o Fiat está em pé de igualdade com sedãs maiores, como o Honda Civic.

Na parte externa, o Cronos também denota mais cuidado do que a maioria dos rivais. Um bom exemplo está na cartela de cores disponíveis para a pintura, com as sólidas branco Banchisa, preto Vulcano e vermelho Alpine, as metálicas prata Bari, Cinza Scandium, preto Vesúvio e vermelho Marsala (nova), além da perolizada branco Alaska.

Final feliz?

Outro acerto da Fiat está no elenco de equipamentos - embora mereça novamente uma puxada de orelha por conta dos itens de segurança. A versão mais em conta, chamada de Drive 1.3 Manual já é bastante equipada. Vem com direção elétrica, ar-condicionado, travas e vidros elétricos dianteiros, banco do motorista e volante com regulagem de altura, rodas em chapa de aro 15”, sistema Isofix, volante multifuncional e até a eficiente central multimídia de 7 polegadas compatível com os sistemas Android Auto e Apple CarPlay.

Já a configuração seguinte Drive 1.3 GSR agrega ainda sistema start/stop, aletas para o gerenciamento do câmbio que é operado por botões, controle de cruzeiro, retrovisores elétricos, assistente de subida em rampa e controles de tração e estabilidade.

Uma versão acima e chegamos a 1.8 Precision Manual, que entrega faróis com detalhe em LED, rodas de liga leve de aro 16”, faróis de neblina e sensor de estacionamento. Já a opção Precision AT também vem com volante revestido em couro, câmbio automático com aletas, piloto automático, além de maçanetas e frisos cromados.

Mas se sabemos que as versões são bem equipadas, ainda não sabemos os preços do Cronos. A Fiat informou que só vai anuncia-los no dia 21 de fevereiro. Desta forma, fica difícil bater o martelo e dizer que o sedã tem bom custo-benefício.

Ficamos, no entanto, com os preços aproximados divulgados pela própria montadora ao WM1:

Versões e preços aproximados

Fiat Cronos 1.3 MT

R$ 59.000

Fiat Cronos 1.3 GSR

R$ 64.000

Fiat Cronos 1.8 Precision MT

R$ 63.000

Fiat Cronos 1.8 Precision AT

R$ 72.000

Chuva de opcionais

A Fiat também não divulgou o preço dos opcionais, mas indicou quais são eles por versão. A configuração de entrada Drive 1.3 pode ter três pacotes: o Style vem com rodas de liga leve aro 15”, faróis de neblina e bancos traseiros bipartidos, enquanto o Parking dispõe de câmera de ré e sensor de estacionamento traseiro e o Convenience vem com retrovisor e vidros traseiros elétricos.

A versão 1.3 GSR, por sua vez, pode conter os pacotes Style e Parking, com os mesmos itens citados acima.

Por fim, as versões Precision oferecem kit Style com rodas de liga de 17” e bancos em couro, o pacote Tech com ar-condicionado digital, quadro de instrumentos de tela com 7 polegadas, chave presencial, sensor de chuva e crepuscular, além de retrovisor eletrocrômico. Há ainda airbags laterais e câmera de ré.

Com informações direto de Córdoba, Argentina. Viagem feita a convite da Fiat.

Quando deixa um pouco de lado a carreira brilhante como piloto de Gran Turismo e Fórmula 1 (no Playstation), faz cobertura diária do setor automobilístico. Muscles cars e clássicos dos anos 1990 são as máquinas prediletas.

Matérias relacionadas