Newsletter
Share

Redes Sociais

Versão intermediária foca em visual esportivo

Toyota Corolla

Marca/Modelo

90.990 / 108.990

Versão Base / Versão Testada

470 Litros

Bagageiro

8.2

Overview

O Toyota Corolla XRS tem muitos pontos positivos, porém, não são suficientes para torná-lo um produto plausível. Apesar de carregar o legado de novidades da linha 2018, principalmente em relação a itens de segurança ativa, a versão vacila em custo-benefício e fica muito mais cara do que concorrentes relevantes.

Encontre o carro ideal para o seu bolso!

Toyota Corolla XRS é um vovô de óculos platinado

Design esportivo esconde comportamento manso do sedã; Preço de R$ 108.990 força o consumidor a procurar a concorrência

WM1 / 30/03/2017 às 14:15

Quando os 50 anos batem na porta, a aparência vira a maior preocupação. Com o Corolla não é diferente. Embora tenha abusado de cremes rejuvenescedores na atual geração, o sedã não ficou satisfeito e decidiu ousar ainda mais no visual. Os spoilers dianteiros, saias laterais, aerofólio traseiro e difusor com acabamento que imita fibra de carbono da versão XRS correspondem a algo como óculos platinados, coque samurai e braço repleto de tatuagens.

O tratamento estético custou R$ 9.000. É esse o investimento extra necessário para levar a versão “esportiva” em detrimento da intermediária XEi. No final das contas, são pesados R$ 108.990.

Mas as mudanças estéticas não significam novas atitudes. O conservadorismo é a tônica do powertrain. A emoção passa longe do motor 2.0 bicombustível de 143/154 cv a 5.800 rpm com gasolina e etanol, respectivamente. Ele é gerenciado sempre por uma tocada linear da transmissão CVT que simula sete velocidades.

Existem elementos que significariam temperamento mais radical como as aletas para gerenciamento manual do câmbio e o botão Sport para esticar o intervalo de escalonamento. No entanto, o sistema é prudente e corta o barato da diversão. Basta uma pequena esticada para que a troca de marcha seja feita automaticamente.

A única mudança no trem de força está localizada na suspensão. O perfil continua McPherson na parte frontal e eixo de torção na extremidade traseira, mas o conjunto de amortecedores foi recalibrado e o ajuste está 5 milímetros mais alto. Tais otimizações não surtem efeitos práticos e o Corolla mantém um aspecto firme e extremamente confortável. Foram realizadas a título de abrigar um conjunto de rodas maior, de 17 polegadas e diamantadas, no caso da configuração XRS.

Se o motorista não sente mudanças práticas, obtém ganhos de status. O Toyota Corolla XRS é bastante notado. É verdade que a atenção seja despertada por conta das demais novidades estéticas da linha 2018, como grade, faróis, para-choques e lanternas, mas o produto final ficou mais atraente.

Provavelmente deve estar passando pela sua cabeça que um sedã esportivo de verdade é um Honda Civic Si e seu propulsor aspirado gostoso de ouvir ou o quase sempre esquecido Renault Fluence GT. E você está correto. Mas o público-alvo cativo de um sedã médio, com seus 45 a 60 anos, não está disposto a elementos divertidos, porém, desconfortáveis como câmbio manual e suspensão durinha.

Esqueça o turbão

Mas se você ficou com esperança de que a Toyota pudesse oferecer pelo menos um motor turboalimentado, pode ficar frustrado. A marca já deixou claro que isso não está nos planos.

Entretanto, é preciso dizer que o 2.0 aspirado não deixa a desejar perante a concorrência. Embora não tenha o ímpeto dos turbinados, é ligeiro e não deixa o motorista em apuros.

A mesma consideração vale no quesito eficiência energética. O propulsor rende 10,6 km/l e 7,2 km/l na cidade e 12,6 km/l e 8,8 km/l na estrada, na ordem gasolina e etanol. Os números não são impressionantes, mas rendem nota ‘A’ no Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro.

Por outro lado, se a Toyota promoveu com sucesso o rejuvenescimento externo do Corolla, o mesmo não pode ser dito em termos de entretenimento. A central multimídia é nova, mas ainda antiquada. Não oferecer Android Auto e Apple CarPlay é aceitável, até porque o sistema pode compensar estas ausências com comando de voz, tela intuitiva e de visual agradável. Mas a central em questão, com display de 7 polegadas apresenta um delay nos comandos, tem visual quase monocromático e parece até aqueles dispositivos de aftermarket – nem a TV digital e a compatibilidade com DVD salvam.

O melhor atributo dela é ter um design que encaixa bem no console, no caso da versão XRS, todo preto. Aliás, o interior carrega uma diversidade de materiais sempre bem encaixados, mas a qualidade deles ao toque não é das melhores.

Mas o maior problema interno são as rugas que evidenciam a idade. Falamos da manopla do câmbio que parou nos anos 1990 e do reloginho digital que não sai dos modelos da Toyota nem com reza brava.

Mas isso não é nada para quem não liga muito para predicados secundários e importa-se mesmo com o que interessa. A carroceria de 4,62 metros garante 2,70 m de entre-eixos bem distribuídos para oferecer vasto espaço para os ocupantes e um porta-malas de 470 litros apto para abrigar tudo quanto é tralha.

PowerTrain
PowerTrain

PowerTrain

Desempenho
Desempenho

Desempenho

Dimensões
Dimensões

Dimensões

Dinâmica
Dinâmica

Dinâmica

Capacidades
Capacidades

Capacidades

Competente
Motor 2.0 aspirado faz o serviço sem problemas, mas não transmite nenhuma emoção
Sem emoção
Conjunto foca totalmente no conforto. Nem mesmo aletas e botão Sport arrancam sorriso do motorista
Not bad
Os ocupantes não tem do que reclamar. E o bom espaço para as pernas não compromete o porta-malas.
Seis por meia dúzia
Suspensão ganhou novos amortecedores e foi recalibrada. Na prática, não há mudanças. Novo ajuste chegou para abrigar rodas maiores.
Porta Malas
470 Litros
Tanque de Combustível
60 Litros
Ocupantes
5
Carga útil
Não disponível
Suficiente
Não é o melhor da categoria, mas oferece espaço de sobra.

Por que o Corolla é líder?

E o que importa também são os itens de segurança que toda a linha Toyota Corolla 2018 ganhou. Agora o sedã tem sete airbags e os tão demandados controles de tração e estabilidade. Tais equipamentos podem parecer supérfluos, mas agregam segurança em momentos de instabilidade em que o motorista mais necessita de aderência ao solo.

Eles representavam a maior lacuna do modelo perante os adversários, afinal, como já mencionamos, um conjunto motor e câmbio mais moderno é ótimo em termos de desempenho e eficiência energética, mas a dupla atual ainda não está no ponto de defasagem.

Este cenário ajuda a explicar porque o Corolla é o sedã médio líder de mercado e o segundo modelo mais buscado no estoque da Webmotors. O Toyota não é o melhor em nenhum quesito, mas é competente em todos. Além de ter powertrain eficiente, interior espaçoso e performance com foco total no conforto, o modelo oferece pós-venda competitivo.

Preço das revisões

10.000 km

R$ 252,18

20.000 km

R$ 599,40

30.000 km

R$ 409,80

40.000 km

R$ 860,70

50.000 km

R$ 401,70

60.000 km

R$ 581,10

As seis primeiras revisões têm preço fechado e totalizam R$ 3.104,88, ou seja, um preço competitivo para o segmento.

Já a garantia é de convencionais três, enquanto o seguro tem apólice de atraentes R$ 2.821,91, encontrada no AutoCompara. O perfil é de homem casado, de 45 anos, e residente na Zona Sul de São Paulo (SP).

Fim de papo

Todos os pontos positivos, porém, não são suficientes para tornar o Toyota Corolla XRS um produto plausível. Apesar de carregar o legado de novidades da linha 2018, principalmente, em relação a itens de segurança ativa, a versão vacila em custo-benefício e fica muito mais cara do que concorrentes relevantes. O Cruze LTZ sai por R$ 191.990, enquanto o Honda Civic Sport CVT (que exala mais esportividade graças ao design ousado da nova geração), está tabelado a R$ 94.990.

Ponto a Ponto

Score

A versão XRS voltou do mesmo jeito que havia 'morrido': insossa. Carrega itens estéticos que instigam interesse de quem vê o carro, mas continua com um conjunto sem passar emoção nenhuma. Preço é agressivo. Ao bolso.
8.2

Média opinião do dono

A dica é escolher outra versão do Corolla. A configuração XEi é a mais aceita pelo público porque entrega a maioria dos itens de série e ainda não ultrapassa, mesmo que por pouco, a barreira dos R$ 100 mil – custa R$ 99.990.

Mas se você quer mesmo itens que denotam esportividade, vale a pena olhar com carinho para os já citados Cruze e Civic Sport ou até o Citroën C4 Lounge S, que sai por R$ 85.990, mas é uma edição limitada.