Newsletter
Share

Redes Sociais


As chegadas do Fiat 500 Abarth, Volkswagen Speed Up! TSI e Renault Sandero R.S. dão ao consumidor brasileiro a esperança de cada vez mais contar com carros que não apenas têm a aparência de um esportivo, mas também o comportamento. No Salão de Frankfurt, na Alemanha, a cultura de ‘apimentar’ carros, digamos, comuns é muito forte e cada vez mais comum.

Para celebrar a esportividade, a WebMotors levantou os três ‘hot-hatches’ que os brasileiros mereciam ter o direito de acelerar.

HONDA CIVIC TYPE R

Há quem questione seu design, no entanto são poucos os (mal-humorados) que colocam em dúvida a capacidade do Civic Type R ser extremamente divertido ao volante. Sem qualquer chance de chegar ao Brasil neste momento – no final do ano passado até foi ventilada uma remota possibilidade -, o Honda é equipado com motor 2.0 turbo (injeção direta de combustível) de quatro cilindros capaz de gerar 306 cv de potência a 6.500 rpm e torque de 40,7 kgf.m a apenas 2.500 rotações. De acordo com a marca, a aceleração de 0 a 100 km/h acontece em 5,7 segundos e a velocidade máxima é de 270 km/h. A transmissão é manual de 6 marchas.

FORD FOCUS RS

O Focus RS é um carro mais que consagrado na Europa por seu desempenho acima da média. No entanto, enquanto a Ford do Brasil discute – mas sem grande empolgação – a vinda de um Focus ST ou Fiesta ST, que são ‘apimentados’ (mas nem tanto), o RS está bem longe das mesas de negociação da marca.

Ao contrário do Civic Type R, seu design é menos questionável, mas, assim como o Honda, ninguém duvida da sua capacidade de divertir. A Ford adota um motor 2.3 EcoBoost turbo (injeção direta de combustível) de quatro cilindros pronto para desenvolver 350 cv de potência máxima e torque de 44,8 kgf.m de torque entre 2.000 e 4.500 giros – durante 15 segundos, no entanto, é possível contar com impressionantes 48 kgf.m. Esta saúde faz com que o Focus RS chegue aos 100 km/h em 4,7 segundos e atinja os 265 km/h de velocidade final. O câmbio também é manual de seis marchas.

PEUGEOT 308 GTI

Com a disparada da desvalorização do Real, as remotas chances de o Brasil ter o 308 GTI foram completamente aniquiladas – existe a possibilidade de o hatch ter uma versão mais esportiva, que poderia se chamar GT e ser equipada com motor 1.6 16V THP (turbo) de até 173 cv, mas nada oficial.

Na Europa, o GTI francês impressiona. O propulsor é um quatro cilindros turbo com injeção direta de combustível igual aos outros dois desta reportagem, mas de apenas 1,6 litro. Este motorzinho, que de ‘zinho’ não tem nada, entrega 210 cv de potência a 6.000 rpm e torque de 30,5 kgf.m a 3.000 rotações. A velocidade máxima é de 230 km/h e a aceleração de 0 a 100 km/h acontece em somente em 6,5 segundos. E assim como Honda e Ford, o Peugeot tem uma transmissão manual de 6 velocidades.

BÔNUS

Irritado por saber que estes carros existem pelo mundo e extremamente distantes do mercado brasileiro? Então resolvemos acabar com seu humor nesta quinta-feira trazendo um ‘hot-hatch’ bônus para esta matéria: Opel GTC OPC.

O modelo desenvolvido pela subsidiária da General Motors na Alemanha é uma espécie de versão cupê (duas portas) do Astra, que, ao contrário do Brasil, continua sendo vendido na Europa e com muito sucesso, diga-se de passagem. Bonito, ele exala esportividade.

Tem motor 2.0 turbo (injeção direta de combustível) de quatro cilindros de 280 cv de potência máxima e 40 kgf.m de torque. A transmissão – assim como os demais – é manual de seis marchas. A velocidade máxima é de 250 km/h e a aceleração de 0 a 100 km/h crava nos 6 segundos, apenas.

Jogador de futebol frustrado, resolveu ser jornalista para escrever sobre tudo que tivesse motor, fizesse (muito ou pouco) barulho e fosse possível de pilotar. Aficionado por superesportivos e clássicos, pensa agora acelerar também sobre duas rodas...

Matérias relacionadas