KTM Duke 390 2017

Conectada: nova KTM 390 Duke “espelha” smartphone

Naked ganhou motor mais potente, suspensão e freios mais eficientes e um “tablet” no lugar do painel de instrumentos

WM1 / 19/04/2017 às 18:15

Esteticamente, a KTM 390 Duke 2017 está muito parecida com sua irmã mais velha, a 1290 Super Duke. Num primeiro momento o que chama a atenção são os novos faróis de LED posicionados verticalmente e a instrumentação com display digital que muda de cor conforme a incidência de luz. Além disso, a pequena naked austríaca adotou acelerador eletrônico (ride-by-wire) e freios ABS de última geração. 

A nova 390 Duke traz ainda um diferencial tecnológico que pode atrair o público mais jovem que não vive sem a tal conectividade. Com o ‘KTM my Ride’, o smartphone pode ser “espelhado” no novo painel de instrumentos, que mais parece um tablet. E com comandos extras - adquiridos como opcional e instalado no punho esquerdo - o piloto poderá ter controle total sobre as chamadas recebidas, além de comandar o player de áudio. Assim, o piloto pode gerenciar todas as funções do celular sem ter que tirar as mãos do guidão. O som é propagado por mini autofalantes dos intercomunicadores, que ficam na forração interna do capacete.

Evolução no motor e ciclística 

Reconfigurado para atender as normas antipoluição europeia, o motor da 390 Duke oferece ainda mais torque e potência. O monocilíndrico, DOHC (duplo comando no cabeçote), de 373,2 cm³ de capacidade gera 44 cavalos. A potência máxima é alcançada a 9.000 rpm. Para se enquadrar ao Euro 4 e reduzir as emissões de poluentes, o escapamento foi alongado, cobrindo parte da roda traseira. Já o tanque de combustível teve um aumento na capacidade, que passou de 11 litros para 13,4 litros.

Anuncie sua moto GRÁTIS na Webmotors 

Houve também mudanças no sistema de freios que foi desenvolvido em parceria com a Brembo. O disco dianteiro é de 320 mm (20 mm maior que a versão anterior) com pinça de fixação radial e está aliado ao ABS – sistema Bosch 9MB de dois canais que pode ser desabilitado. Assim, segundo o fabricante, a frenagem ficou mais eficiente.

A parte dianteira da moto conta ainda com garfo invertido (upside-down) da marca WP de 43 mm de diâmetro e 142 mm de curso. Na traseira, disco simples de 230 mm de diâmetro e monoamortecedor com 150 mm de curso. Ambas as suspensões são reguláveis.

Pesando 149 quilos a seco, toda a parte ciclística da 390 Duke está ancorada em um quadro de treliça (cor laranja e com subquadro pintado de branco), uma assinatura em alumínio da KTM. As belas rodas de liga leve aro 17 polegadas também trazem a cor laranja e são calçadas com pneus de perfil esportivo Metzeler M5. 

A nova geração da KTM Duke foi apresentada no Salão de Motos de Milão 2016 (EICMA) e teve o início de comercialização em março na Europa. Segundo comunicado emitido pela assessoria de imprensa Dafra/KTM, “iniciaremos o desenvolvimento da versão brasileira, processo que passa por adaptações técnicas e desenvolvimento de fornecedores. Diante disso, não existe previsão de lançamento no Brasil em curto prazo”. Ou seja, a moto só deve chegar aqui em 2018.