Newsletter
Share

Redes Sociais

Garagem do Bellote: Aceleramos o Ford Corcel

Corcel I foi o genuíno Mustang brasileiro

WM1 / 15/02/2016 às 08:01atualizado 10/07/2016 às 14:45
Arquivo

“Corcel cor de mel, Mustang cor de sangue”. A canção que fez sucesso no Brasil da década de 60 foi escrita por Marcos Valle. E falava de dois ícones da Ford. O Mustang já era conhecido no mundo todo e, àquela altura, um sonho de consumo por aqui.

Já o Corcel chegava em nosso mercado com traços do primo norte-americano. Não é difícil notar algumas similaridades entre eles. O desenho das laterais, lanternas traseiras e o icônico cavalinho, presente nos dois modelos.

O exemplar da matéria, vale observar, parece recém-saído da concessionária. A cor amarela chama a atenção pela rua e é um dos expoentes de sua época. No interior acabamento honesto e trazendo apenas o necessário. Aliás, cabe uma observação referente ao termômetro, que sumiu de muitos carros atuais.

O desempenho, com bons números para o período, é fruto do motor de 1,4 litro, com 72 cv e 11,5 kgfm de torque. Não é nenhum foguete, mas garantia agilidade no trânsito do dia-a-dia e também nas estradas. 

Impressões ao volante

Guiar um clássico nacional é sempre divertido. Ele nos transporta para um lugar único no tempo. Recomendo a experiência. Com o Corcel não foi diferente. O acerto desse exemplar é tão bom que nem parece ter quarenta anos de vida. E que venham mais quatro décadas para o veterano!

Renato Bellote é jornalista automotivo em São Paulo, redator da Revista Driver e editor-chefe da Garagem do Bellote TV. Sua paixão por carros começou no dia em que saiu da maternidade a bordo de um Dodge Charger R/T

Matérias relacionadas