Newsletter
Share

Redes Sociais

Tanja Stadnic

Arte de pintar Porsche

Em entrevista exclusiva ao WM1, artista da Moldávia conta sobre seu talento de pintar os superesportivos da marca alemã

WM1 / 31/10/2016 às 20:00atualizado 01/11/2016 às 11:58

Capacidade para criar a obra prima da arte sobre rodas. Criatividade, inspiração e habilidade para, com lápis, tinta e pincel, materializar de forma abstrata o que designers e engenheiros da indústria automotiva concretizam em forma objetos de desejo. Difícil encontrar todas estas qualidades em uma única pessoa, mas não impossível. Tanja Stadnic, por exemplo, é uma dessas abençoadas com tamanho talento. Nascida na Moldávia, pequeno país do leste europeu, ela é especialista em pintar máquinas que carregam sob o capô o símbolo da Porsche.

Casada e com três exemplares da ‘Casa de Stuttgart’ na garagem – Cayenne S a diesel, 991 GTS conversível e Panamera GTS, que será substituído por um modelo da nova geração em fevereiro –, Tanja descobriu o prazer pela arte após assistir, incentivada pelos pais, a uma aula de pintura para crianças. “Aos poucos, meu amor pelos desenhos floresceu juntamente com uma profunda paixão pela arte em geral”, revelou em entrevista exclusiva ao WM1. “Paixão essa que me levou a um curso da Academia de Música, Teatro e Artes Plásticas”, completou.

Já a vontade de pintar os superesportivos da Porsche nasceu totalmente do acaso. Durante uma visita em uma das inúmeras galerias que constumava frequentar, Tanja se deparou com um belíssimo quadro de um 911, modelo icônico da fabricante alemã. “A partir desse momento tudo mudou”, revelou. “Nascia então a Porsche Acrylic Art (empresa criada no início deste ano). Tenho que admitir que as primerias pinturas eram muito difíceis de fazer, pois era algo totalmente diferente do que eu estava acostumada”, reconheceu, confidenciando que apesar de ter tido um 911, nunca havia atrelado seu trabalho artístico à Porsche.

Atualmente, Tanja, que mora parte do tempo na Holanda e parte em  Dubai, se dedica exclusivamente aos ‘bólidos’ alemães, e isso por vários motivos. “O principal deles é porque eu amo tudo sobre a marca e as pessoas que dirigem os carros. Vejo como uma relação monogâmica, que sinto com extrema naturalidade.” Para Tanja, em virtude da devoção que os proprietários de um Porsche têm pela marca, se ela passar a pintar carros de uma outra fabricante poderia representar uma certa traição.

Sobre seus clientes, a artista não fala muito. Aliás não fala absolutamente nada, pois preferem o anonimato. Porém, Tanja não esconde o desejo de um dia pintar uma das máquinas da coleção de Magnus Walker, Jay Lenno e, quem sabe, “de um primeiro cliente brasileiro”. A artista trabalha com três tamanhos de quadro pre-estabelecidos, mas, caso o cliente queira uma medida diferente, também é possível fazer. Os preços variam entre R$ 7.900 e R$ 14.000, e o processo de criação e entrega demora cerca de três semanas. Além de um belíssimo quadro, Tanja garante a exclusividade. “Eu quero criar pinturas que não são algo para todos, mas tudo para alguns”, revela a artista, fazendo uma analogia com a célebre frase de Ferry Porsche: “I wanted to build cars that were not something to everyone but meant everything to some”.  

Atualmente, Tanja está trabalhando em diversos quadros ao mesmo tempo e tem participado de vários eventos de lançamento dos novos modelos da marca, onde pinta em tempo real um dos superesportivos alemães. Para Stuttgart, ela está fazendo quadros de um Macan GTS vermelho, um 991 Turbo preto e 991 Turbo S conversível amarelo. Depois, para um concessionário na cidade natal da Porsche, Tanja irá entregar o novo Panamera.

Não apenas os ‘bólidos’ que devoram ruas e estradas são abençoados com a arte de Tanja. O icônico 919 Hybrid, vencedor da última edição das 24 Horas de Le Mans, já foi imortalizado nas telas da artista moldava. Aliás, de acordo com ela, o modelo mais difícil de pintar até hoje. “O carro tem tantas linhas difíceis e rígidas que não foi fácil para capturá-lo. Mas, no final, o resultado ficou fantástico. Agora, eu estou tentando entrar em contato com a equipe LMP1 para doar a pintura para eles”, confidencia Tanja, que é extremamente cuidadosa em todo o processo de criação da obra.

Eu quero criar pinturas que não são algo para todos, mas tudo para alguns

“O primeiro esboço é feito com lápis de cor. Depois disso, vou para definir a primeira pintura, usando pincéis. Nesta fase eu olho muito para os detalhes, as linhas e as proporções do carro, mas também as sombras que são muito importantes. Uma vez satisfeita, começo a criar os detalhes abstratos, utilizando espátula de pintura. Tal como acontece com muitas outras coisas na vida, você melhora ao longo do tempo. Indo pelas reações que recebo dos meus clientes, bem como a valorização dentro da comunidade Porsche, estou muito satisfeita com a minha qualidade do trabalho”.

 As obras de Tanja são realmente muito bonitas. É possível segui-la no Instagram (https://www.instagram.com/tanja.stadnic/) ou pelo site da Porsche Acrylic Art: http://www.tanjastadnic.com/. No entanto, para comprar um quadro o processo é tão exclusivo e detalhado quanto a compra de um Porsche. O primeiro contato é pessoal, se possível (pode ser por e-mail, também), para que ela tenha contato não apenas com o proprietário e a máquina a ser pintada, mas também para saber mais da história de ambos, juntos. Na sequência, a artista começa a trabalhar no desenho do modelo e, após três semanas, finaliza o quadro. Se possível, a própria Tanja entrega, em seu Porsche Cayenne, a obra juntamente com um certificado de autenticidade, confirmando que o trabalho é uma verdadeira criação Tanja Stadnic, além de uma nota escrita pessoalmente sobre a realização da pintura original. “Por último, mas não menos importante, cada cliente receberá um alto padrão garrafa de vinho originado da Moldávia, o meu país de nascimento”, finaliza.

Ah! Por curiosidade, quer saber qual foi o primeiro Porsche dela e o seu modelo favorito? 997 conversível azul Night com interior caramelo e, como não poderia ser diferente, um 911. “Eu gosto dos modelos antigos, como o 911 T, mas também adoro o moderno 911 de hoje. E, em particular a versão GTS, que produz um som encantador!”

Jogador de futebol frustrado, resolveu ser jornalista para escrever sobre tudo que tivesse motor, fizesse (muito ou pouco) barulho e fosse possível de pilotar. Aficionado por superesportivos e clássicos, pensa agora acelerar também sobre duas rodas...

Matérias relacionadas